Parques Nacionais e a proteção integral da biodiversidade

O trabalho feito pela PLANTUC, e outras assessorias, foi apresentado ao Conselho dos Parques Nacionais Serra Geral e Aparados da Serra  para o plano de gestão em Unidade de Conservação.

Segundo a representante da MIRA-SERRA, Nívia Franzen, se trata de um estudo que será encaminhado para os setores competentes para análise e passará por várias etapas até a aprovação e decisão do que será feito dentro dos parques – dentro deste novo sistema de gestão público/privado.

No entanto, alguns aspectos preocupam sobremaneira a MIRA-SERRA – que desde o início tem questionado algumas ações da gestão dos parques.

Na apresentação, surpreendeu a sugestão de uma ponte que passará por cima do Canion ligando à outra margem.

Hospedagens, estacionamentos para centenas de veículos, prática de esportes radicais, mais que a duplicação do número de trilhas e, até, a possibilidade de um teleférico, não nos parece razoável no interior de Unidades de Conservação de Proteção Integral.

Ao menos, os banhos parecem ter sido vetados tecnicamente, visto a ocorrência de espécies de esponjas endêmicas.

A segurança da biodiversidade e do público visitante permanecem como uma incógnita.

A coordenadora-presidente da MIRA-SERRA, biól. Lisiane Becker, levará a preocupação com a biodiversidade nestas Unidades de Conservação, novamente,  ao Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, no dia 10, sendo possível recorrer ao Conselho Nacional da RBMA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *