ABRIL POLÊMICO NO CONSEMA

O CONSEMA de abril reservou surpresas polêmicas.

A MIRA-SERRA foi convidada para a reunião (5/4/2017) da Câmara Técnica Permanente (mas em extinção, pois a atribuição passará a ser de um Conselho Gestor) do Fundo Estadual do Meio Ambiente / FEMA,  pois havia matéria do seu interesse.

Item de pauta, tratava do resultado sobre a celeuma evolvendo o edital nº 001/2013 – Programa de Educação Ambiental ppor Organizações da Sociedade Civil (PEASC).

Neste edital, a MIRA-SERRA obteve o primeiro lugar, com o projeto “Aves na Costa Doce do Rio Grade do Sul”, sendo que o resultado foi publicado no D.O.E. em 28/5/2014.

De lá para cá, a ONG tem mantido  conta corrente bancária (Banrisul-  com ônus, apesar de ser uma entidade de voluntariado) exigida para a firmatura do tão aguardado convênio. Eis, que o parecer da Coordenadoria Jurídica do Sistema Ambiental, subsidiado pela Divisão de Estudos e Orientação da Controladoria e auditoria-Geral do Estado, sepulta o processo: ” consideramos que não há como viabilizar o aproveitamento dos atos até aqui realizados, sedo necessário a realização de novo provedimento em, obediência a nova legislação“.

Na sequência, a plenária do CONSEMA ( 11/4/2017), traz como itens principais de pauta:

 1) FEMA – autorização do recurso para FEPAM (Locação, Qualidade do Solo e Aquisição de Veículos). A representante da MIRA-SERRA questionou o alto valor destinado ao pagamento de locação da FEPAM para, apenas, sete meses. Sugeriu que o valor anual de despesa para aluguel de toda a SEMA no prédio poderia ser orientado para a reforma ou construção de uma sede própria. Imóveis não faltam ao Estado.

A autorização foi aprovada com abstenções, inclusive da MIRA-SERRA.

 2)    Representação das entidades ambientais no CONSEMA – indicação APEDEMA e Comissão Eleitoral. Conforme o novo Regimento Interno (RI) do CONSEMA, das 5 vagas para as entidades ambientalistas, 4 serão indicadas pela APEDEMA e a quinta, decorrerá de pleito entre entidades ambientalistas candidatas e que possuam registro no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas (CNEA).

A APEDEMA terá 3 meses para enviar a nominata para compor o novo biênio.

Visando organizar e fiscalizar o processo para a quinta vaga, o RI especifica a criação de uma Comissão Eleitoral composta por 3 conselheiros. Assim sendo, os representantes da SEMA, FAMURS e do Fórum dos Comitês de Bacia Hidrográfica se prontificaram a integrar tal comissão.

3)    Minuta de Resolução: Poligonal Ambiental. Não foi votada devido ao pedido de vista da FIERGS. MIRA-SERRA, aproveitou a oportunidade, pedido esclarecimentos sobre o licenciamento para jazidas vizinhas, pois não percebe uma salvaguarda ambiental mínima.

4)    Minuta de Resolução: Fauna Invasora. Apresentado pelo representante do IBAMA, o méd. vet. Paulo Wagner, este item foi o mais debatido – principalmente pelas ONGs UPAN e MIRA-SERRA.

A UPAN se debruçou sobre os métodos e regras, cuja minuta remete “aos similares aos adotados para o controle de Sus scrofa” – o que não seria adequado. Alertou sobre a temerária fiscalização, visto que o “controlador de animais exóticos” receberá um treinamento. Cabe destacar , que mesmo um pesquisador experiente, dependendo das condições de visualização, pode ter incertezas na distinção entre espécies.

A MIRA-SERRA salientou que não há como aprovar uma minuta que pretede ser regulamentada por um “Plano de Controle Estadual” a ser estabelecido em “comum acordo entre entidades públicas e privadas, no prazo de 6 meses”. Sugere que o Plano integre a proposta para uma adequada avaliação da matéria – o que foi aceito.

No entanto, foi valiosa a informação dada pelo IBAMA de que há espécies com potencial invasor, provenientes da fuga de fazendas de caça no Uruguai, que atravessaram a fronteira e poderão se estabelecer como um sério problema à fauna nativa no Rio Grande do Sul.

Matéria seguirá para Câmara Técnica, conforme deliberado pela plenária

5)    Apresentação sobre Unidades de Conservação (UC) e Medidas Compensatórias.

Liana Barbisan, diretora do Departamento de Biodiversidade/SEMA apresentou a situação atual das UCs, sendo previstas a criação de três novas. A MIRA-SERRA como estava a tramitação da UC proposta pela ONG, que foi um  compromisso assumido pela Secretária Estadual do Meio Ambiente, Ana Pellini, em reunião com ambientalistas no início da sua gestão. Liana e equipe pediram o do processo para verificar, o que  a represetante da ONG prontamente entregou. Além disto, também, solilcitou que enviem a apresentação para os conselheiros.

O represetante do FGórum de comitês de Bacia Hidrográfica, propôs que o CONSEMA se debruce sobre um plano para o Sistema Esatdual de Unidades de Conservação (SEUC), assim como no Zoneamento Ecológico-Econômico, visando à criação de UCs, já que o órgão ambiental federal parece ter abandonado o Rio Grande do Sul.

8)    Reserva da Biosfera – Resolução CONSEMA 01/1997 e Minuta de Decreto Estadual. A minuta proposta pretende regulamentar o inciso II e o parágrafo único do art. 51 e o art. 53 da Lei estadual º11.520/2000. A MIRA-SERRA pediu a palavra, pois como entidade que integra a Rede e ONGs da Reserva da Biosfera (RMA), o Conselho Nacional Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (CN RBMA) e o Comitê Estadual daReserva da Biosfera da Mata Atlântica, vê com preocupação a alteração da dinâmica atual e eficiente do CERBMA. Destacou que o CERBMA é referência para questões do bioma ao Ministério Público e para a SEMA. Lembrou da forte e exitosa atuação frente ao empreemdimeto da UHE Pai-querê. Também questionou como se dará a interface com o atual Regimento Interno, que ficará engessado se mantidos alguns artigos desta proposta de minuta de decreto. Sugere que o CONSEMA tenha um período para contribuir e que a minuta seja apresentada na próxima reunião do CERBMA.

Alexandre Krobb, presidente do CERBMA, pediu a palavra e crê que está havendo um problema de comunicação entre os dois colegiados. Fez um breve relato sobre a complexidade do modelo. Propôs a fazer uma apresentação sobre o sistema da RBMA ao CONSEMA, de modo a  subsidiar as suas contribuições.

Foi deliberado que a SEMA levará a proposta de minuta do decreto ao CERBMA e, este, através de sua presidência, fará uma apresentação ao CONSEMA. Após, será dado um prazo para que todos possam encaminhar sugestões

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *