MIRA-SERRA NA TRIBUNA LIVRE DO CONAMA

Na plenária do Conselho Nacional do Meio Ambiente / CONAMA a representante da MIRA-SERRA levou questões que tem defendido, também, no CONSEMA-RS e outras instâncias pertinentes. Para tal, utilizou o espaço “Tribuna Livre”, como segue: “Bom dia. Venho aqui externar a preocupação, compartilhada com a RMA, com a CNRPPN e APEDeMA-RS, com o esquecimento, pelo poder público, dos CETAs e pelas UCs. No primeiro caso, assistimos o fechamento de unidades ou o abandono financeiro. Apesar do esforço de funcionários abnegados, as vítimas do tráfico, agora, morrem pelo sucateamento e descaso…até mesmo, pela falta de transporte ao destino adequado. Já os PARNAs, categoria de proteção integral, padecem de toda espécie de infortúnio. Seja pela gestão que desconsidera a fragilidade ambiental, no afã de angariar trocados para a sua sustentabilidade econômica, seja pela tentativa de recategorização para unidades tão permissiva quanto APAs. O caso mais grave, e não pela primeira vez, foi o assassinato do guarda-parque Edilson, por caçadores.

Aliado a tudo isto, estamos presenciando um retrocesso na base legal ambiental, sem que tenhamos conquistado ( o que volto a lembrar) a implementação do Fundo de Restauração do bioma Mata Atlântica, instituído na Lei 11428/2006. A infeliz frase ouvida no congresso, de que manter a floresta em pé tem custo, lamentavelmente é verdadeira. Mas por outro lado. Tem sim, o custo de vidas humanas ceifadas na proteção da nossa biodiversidade. Tem sim, custo inestimável, das espécies subtraídas da natureza que sustentam o nosso padrão de vida. O Brasil é o país com maior número de assassinatos de ambientalistas do planeta. Além de implorar por ações enérgicas do MMA na defesa do patrimônio natural, peço um minuto de silêncio pelo guardaparque Edilson e seus colegas que sobreviveram.”

Daí em diante, prosseguiu dizendo que só quem está na condição de ameaçado, como ela própria e colegas, sabe como é. Que a sociedade civil tem tido a tarefa de proteger a natureza. Reforçou o apelo ao MMA. Ainda, momeou os PARNAs citados na fala: Aparatos da Serra, Lagoa do Peixe e, como bem divulgado pela mídia, a Serra da Capivara. O minuto seguinte foi de silêncio. O Ministro Sarney Filho fez comentários sobre o PARNA Serra da Capivara e o ocorrido, bem como ações para conter desmatamentos dentro das UCs.